quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Quem Viu Aquilo?

Em tempos de imagem

Olha só a força da imagem replicada e do subtexto que sequer foi escrito. É assim o consumo de indivíduos por si mesmos. Trabalhamos em urgência de sermos vistos! Tudo se justifica por minutos de comentários bons ou não. tudo se permite e a escrita se perde em novos códigos  ou se reinventa para dar sentidos exóticos a " tudo" .

E, nesta caótica dimensão a comunicação célere e descartável, tem custos ainda incalculáveis, pois muito se enxerga em imagens, muito se consomem mas algo fica no "puzzle" onde você é visto mas nem você sabe quem é. São tempos de se exibir onde lentes escolhem o quê mostrar. 

Sendo assim, nada é previsível e o artificialismo cria novas relações. Somos leigos ainda,  porque não sabemos sequer para onde irá este turbilhão de imagens e a produção estrondosa ao redor do planeta! Algumas gerações ainda será preciso para desvendar a incrível emoção de poder" olhar no olhar do outro" já que quase não se faz mais isso...

Vale   lembrar que estamos nos atendo ao viés da exibição que se promove e não de imagens icônicas do cotidiano ou da sociedade flagrada no apogeu de fatos diversos. Estes, graças as facilidades tecnológicas retratam as marcas de um tempo para além dos selfies ...

domingo, 14 de janeiro de 2018

Por onde andei...

.
Passei tempos rondando "outras páginas" e perdendo o curso pra ganhar impulso, transitamos nos afetos de adolescentes, nos impares e na solidão de intermináveis festas. sucumbimos em intermináveis reformas e afrouxamento de laços; viajamos e voltamos sem aqui escrever uma linha. sobretudo na mais triste calada da noite e na mais vespertina tarde entre amigas, ganhava repertório na política, na moda, na ambiguidade do reality show, enchendo as vidas de uns com as vidas de outros; aplacava iras e continha fúrias. E foram muitas! vasculhei mentiras e fui decepcionada tantas vezes para ir fortificando uma fibra quase secreta. Pois já havia perdido as contas de injustiças publicadas, e que se somavam as milhares sobre os mesmos assuntos escritos por aí a fora.

Nestes anos, vimos eleições, terremotos, escândalos, roubos, amores anônimos e famosos. Guerras continuam, fugas em massa, mortes e toda destruição ambiental e, milhares de pessoas falando ao redor do mundo sobre os mesmos temas em diversos pontos de vista. Tudo está  sendo discutido. desde a clonagem até o sexo dos anjos. Desde a obrigação de usar Burca até as aulas de yoga sem roupa.  Temos Papa, Bispo e Pastores, Ministros, Presidentes e Generais. E intermináveis conflitos. E eis que pensei por vezes não engrossar a fileira opinativa geradora de mais do mesmo. Até que abriu-se um tempo e a certeza de existe um direito inalienável, e que todos podem e devem dispor que é se colocar, refletir, abordar e crescer na excelência humilde das ideias.
Voltei!!!!

segunda-feira, 10 de março de 2014

As três heróinas da Bahia!


Estamos entrando no outono e longe ainda do 2 de Julho, mesmo  assim , em razão de 8 de Março ter sido dia Internacional da mulher, vejo o quanto sabemos pouco de nossas heroínas incansáveis nas história do Brasil!
 Mas conhecer a luta de cada uma é rever a história, é mergulhar na batalha entranhada nas ruas, praias e ilhas do recôncavo baiano! É saber que sem a coragem dessa gente e a ousadia de 3 mulheres as tropas portuguesas estariam entre nós até hoje, mas Maria Felipa ,  Joana Angélica  e Maria Quitéria, lutaram e para muitos ficou esquecida, porque a história foi construída para ser contada a partir do Ipiranga!!! Ledo engano...
De qualquer forma, ainda neste blog vou contar sobre o papel destas pessoas que foram submergidas em detrimento do reinado que precisava "representar"um papel ufanado em favor sobretudo da figura "masculina"  Porque ninguém queria saber de heroínas e sim de virtude de hoemem e seu reinado num "certo cavalo". E desde então é assim que pintam a independência do Brasil!!!
E, só  quem foi aluno nas salas de aula de Salvador e da Bahia como um todo conhece um pouco mais este momento único da história!

domingo, 2 de março de 2014

Carnaval de ideias,




Carnaval: muito mais que folia



http://www.imil.org.br/divulgacao/podcast/carnaval-muito-mais-folia/


Compartilhei esta informação por algumas razões, entre elas avaliar o que o carnaval pode atrelar em resultados e benefícios a uma cidades além do turismo e da diversão etc... Também acho que se pode ampliar estes adendos dando ênfase ao que ocorre em outras cidades, pois desatrela o caráter de evento "sem limites", onde apenas se dança, bebe, veste a fantasia e segue deixando a sujeira, desfazendo e desmerecendo o lugar por onde passa. Já que estamos em uma etapa de tantas reivindicações seria maduro um carnaval mas construtivo e mais consciente! Chega de lixo espalhado como se por ser carnaval fosse permitido ser inconsequentes e sem educação...

Já que é um tempo de folia, de entrar na fantasia, seria oportuno ampliar  seu propósito! E quem sabe já podíamos avançar como algumas agremiações e escolas de samba que atrelam a si projetos sociais, agregando nesta indústria do carnaval - que ganha tanto nesta festa momesca - trabalhar pela higiene, pelo zelo das cidades, e por condições reais de brincar e festejar sem destruir patrimônio público e os recursos das cidades? E quem sabe na quarta feira de cinzas não se olhassem em volta e sentisse o luto de um cataclismo que passou destruindo tudo em volta.!
A ideia nem é contra ou a favor, eu brinquei muitos anos, mas é preciso evoluir e o bom uso do espaço público para carnavaliza precisa de algo que ainda não contemplamos: educação!!!




sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Você Precisa de Quê?

Ainda ontem, estava até entusiasmada quando falava de mutabilidade humana, do risco de ideias radicais etc...  E, venho me debruçando sobre os comportamentos e, me surpreendendo entre outras coisas sobre o que leva algumas pessoas a ajudar outras? Mas meu foco não está na solidariedade do ato, e sim na escolha de quem "merecerá" ser ajudado!

Por exemplo: Me pergunto o motivo de algumas pessoas ajudarem outras e nem perceberem que alguém bem ao lado precisa do mesmo empenho, de um auxílio de uma palavra... Seria porque adiamos a intenção? Seria porque ajudar lá fora nos dá visibilidade e outras pessoas saberão "como somos generosos?  Sei lá!

O fato é que se pode salvar e cuidar de muitas pessoas "apenas com um toque ... E nos negamos ou fingimos que alguém fará em nosso lugar! De qualquer modo, os motivos podem ser muitos e todos até o mais "sublime " dele, pode  está cercado por nossa vaidade, altruísmo, egoísmo... Tem também a perversidade, sim, não se espantem! Por ressentimentos e sentimentos muitos, fazemos questão de negar nosso auxílio para castigar ainda mais alguém que julgamos não merecer nosso empenho e esfregamos em suas faces o "tanto"que fizemos por outra pessoa...

Tem gente que por menosprezar "nega"oportunidades! Tem gente que auxilia canalhas, bandidos e ladrões e inclusive o arcabouço jurídico "defende"que assim seja." Cazuza" dizia que "ignoramos a dor da vendedora de chicletes..." e por aí vai.

Recentemente vi isto acontecer de perto, mas tenho uma certeza de que quando nós negamos a alguém um auxílio... Alguém o fará.... Porque quem disse que somos os únicos capazes de????


quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Quem Quer Cineminha, Teatrinho...?

Estamos afundando em más notícias, ninguém respeita a ideia do outro, mas diz que vivemos uma democracia!!! A palavra é "condicionada"sempre, e de forma que nem percebermos, seja por indução, por condicionamentos culturais e/ou por outras formas de adequação que defendemos ideias e bandeiras como se livres estivéssemos!

Então permito-me dizer que qualquer um pode e deve saber que por mais radicais que sejam as ideias e princípios, sim, em algum momento, estaremos agindo de modo a contradizer nossas verdades, mesmo aquelas mais intrínsecas do nosso ser. E isto foge aos tratados antropológicos e filosóficos, aos dogmas e conceitos religiosos, porque se assim não fosse, seria quase inexistente as lutas que surgem nas bases de qualquer sistema, de qualquer grupo quando seus membros e simpatizantes, "flertam" com aquilo que antes abominavam! Mas isto é um facto haja vista que a sociedade é mutável e nós como seus atores também o somos. É preciso que mudem as expectativas e principalmente saíamos de nossa zona de conforto, porque nada é hermético e imutável e dentro desta irracionalidade que estamos vivendo tudo o quê estamos alcançando é a destruição uns dos outros!

Nunca vi tanta intolerância mascarada de compreensão!
Tanta fragmentação enaltecida como solidariedade e por fim, tanta falácia quando se prega a ética!
Sinto muito pessoal, mas estamos vivendo sim um carnaval e faz tempo, onde nos fantasiamos de "gladiadores e mocinhas", de Aladins e Pinóquios!

Quem sou eu

Minha foto

Que bom seria todos os dias beber da alegria e dormir com a esperança! E mesmo que assim não seja, sempre que tenho sede de viver me encho de fé porque estou indo na direção da luz, do conhecimento e do respeito pela vida.